pt-PTen-GB
  |     |  Secretaria online
Bem-vindos à Capelania

É com o coração cheio de alegria pela sua vinda aqui e pela sua vida académica na Universidade Lusíada de Lisboa que o saúdo e o acolho.  Será certamente um tempo bom e favorável para si, cheio de encontros e de reencontros.

Partilho consigo a exortação do Papa Francisco a todos os cristãos, a de voltarem às fontes e a de celebrarem e anunciarem com Fé e Alegria o amor do Evangelho a todos!

Deixo também o desafio do Sínodo que o Senhor Cardeal Patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente, fez à Diocese de Lisboa: a de entrarmos e estarmos com ele numa dinâmica sinodal com a Igreja de Lisboa. Alargo também estes votos à nossa Universidade.

Desejo a todos e a cada um, um bom e feliz percurso académico. Aos que chegam pela primeira vez à Universidade, desejo que estes anos por aqui sejam muito felizes.

Estou com alegria à vossa espera e ao vosso dispor.

Contem sempre comigo!

Pe. Ismael Pereira Teixeira

O que é a Capelania?

Vinde e Vêde! (Jo 1, 39)

A Capelania é o lugar onde o convite de Jesus aos discípulos de João Baptista que O seguiam se actualiza e se torna uma proposta concreta para todos aqueles que desejem transformar o espaço que é a Universidade e o ambiente vivido, num lugar de encontro e de partilha.

Um lugar de encontro com aqueles que, na "normalidade da sua vida quotidiana", procuram em Jesus Cristo a resposta para os seus anseios e desejos, conscientes de que o Evangelho continua a ser uma proposta extraordinária, de caminho para a felicidade, para os homens e mulheres do século XXI.

Um lugar de partilha onde o desafio de pôr ao serviço da Comunidade os dons e talentos de cada um, permite experimentar, a par do Saber, a Sabedoria que capacita o coração, a mente e a vontade para uma vida plenamente humana.

A Capelania é, também, uma Capela, lugar de silêncio, de oração e de encontro pessoal com Deus.

Por fim, a Capelania é o lugar privilegiado de encontro com todos os que já vivem a sua fé com alegria, com a Alegria do Evangelho.

Eucaristia semanal

"A Eucaristia é, verdadeiramente, um pedaço de céu que se abre sobre a terra; é um raio de glória da Jerusalém celeste, que atravessa as nuvens da nossa história e vem iluminar o nosso caminho". (n.º 19).

“[…] naturalmente o sacramento (Eucaristia) remonta ao próprio Cristo, mas foi confiado por Jesus aos Apóstolos e depois transmitido por eles e seus sucessores até nós". (n.º 27)

"A Eucaristia é mistério de fé e, ao mesmo tempo, 'mistério de luz'".

"Diante todo este mistério de amor, a razão humana experimenta toda a sua limitação". (n.º 15)

"A Eucaristia é tensão para a meta, antegozo da alegria plena prometida por Cristo (cf. Jo 15, 11); de certa forma, é a antecipação do Paraíso”. (n.º 18)

IGREJA CATÓLICA. Papa, 1978-2005 (João Paulo II) (2003) - Carta encíclica: Ecclesia de Eucharistia do Sumo Pontífice João Paulo II, aos bispos, aos presbíteros e diáconos, às pessoas consagradas e a todos os fiéis leigos sobre a eucaristia na sua relação com a Igreja [Em linha]. Vaticano : Libreria Editrice Vaticana. Disponível em WWW:<URL:http://w2.vatican.va/content/john-paul-ii/pt/encyclicals/documents/hf_jp-ii_enc_20030417_eccl-de-euch.html>.

Horário:

Quartas-feiras: 13H10 [Capela - UL]

Equipa

Capelão

Padre Ismael Pereira Teixeira
Rua da Junqueira, 188-198
1349-001 Lisboa
Tel.: +351 213 611 549
E-mail: capelao@lis.ulusiada.pt

Atendimento

Horário: 12H00 - 13H00 (Quartas)
Local: Gabinete do Capelão

Serviço de apoio

Dr.ª Maria Ferrugento Gonçalves
Rua da Junqueira, 188-198
1349-001 Lisboa
Tel.: +351 213 611 549
Fax: +351 213 638 307
E-mail: capelania@lis.ulusiada.pt
Horário: 09H00 - 16H00

Estudem com coragem e esperança...

A 14 de Outubro de 2014, numa mensagem dirigida aos jovens da Federação Universitária Católica Italiana, o Papa Francisco chama à atenção dos estudantes para três palavras-chave que devem conduzir a vida dos universitários:

“A primeira palavra que vos recomendo é studium (Estudo). O essencial da vida universitária reside no estudo, na fadiga e na paciência do pensar que revela uma propensão do homem para a verdade, o bem, a beleza Estudar é seguir uma vocação bem determinada. Por isso, a vida universitária é um dinamismo orientado, caracterizado pela busca e pela partilha fraterna. Aproveitai este tempo propício e estudai profundamente e com constância, sempre abertos aos outros. Não vos contenteis com verdades parciais nem com ilusões tranquilizadoras, mas acolhei no estudo uma compreensão cada vez mais plena da realidade. Para isto são necessárias a humildade da escuta e a clarividência do olhar. Estudar não significa apropriar-se da realidade para a manipular, mas deixar que ela nos fale e revele algo, muitas vezes também sobre nós mesmos; e a realidade não se deixa compreender sem a disponibilidade para afinar a perspectiva, para a observar com um olhar novo. Por conseguinte, estudai com coragem e esperança.(…)

A segunda palavra que vos recomendo é pesquisa. O método do vosso estudo seja a pesquisa, o diálogo e o confronto. (…) Experimentem sempre a humildade da pesquisa, aquela atitude de acolhimento silencioso do desconhecido, do outro, e demonstre a própria abertura e disponibilidade para caminhar com todos os que são estimulados por uma inquieta propensão para a Verdade, crentes e não-crentes, estrangeiros e excluídos. A pesquisa questiona-se continuamente, torna-se encontro com o mistério e abre-se à fé: a pesquisa torna possível o encontro entre fé, razão e ciência, permite o diálogo harmonioso entre elas, um intercâmbio fecundo que na consciência e na aceitação dos limites da compreensão humana consente uma busca científica feita na liberdade de consciência. Através deste método de pesquisa é possível alcançar um objectivo ambicioso: recompor a ruptura entre Evangelho e contemporaneidade, através do estilo da mediação cultural, uma mediação itinerante que sem negar as diferenças culturais, ao contrário, valorizando-as, se coloque como horizonte de projecção positiva. A pesquisa vos ensine a ser capazes de projecção e de investimento, mesmo se exige esforço e paciência. Os frutos do que se semeia com a pesquisa recolhem-se a longo prazo!

Esta tarefa é confiada hoje em particular aos jovens estudantes universitários, porque estão chamados a um desafio cultural: a cultura do nosso tempo tem fome do anúncio do Evangelho, precisa de ser reanimada por testemunhos fortes e firmes. (…) Eis a vossa tarefa: assumir este desafio com a criatividade dos jovens e com a dedicação gratuita e livre do estudo universitário!

A terceira palavra é fronteira. A Universidade é uma fronteira que vos espera, uma periferia na qual acolher e cuidar das pobrezas existenciais do homem. A pobreza nas relações, no crescimento humano, tende a encher cabeças sem criar um projecto partilhado de sociedade, um fim comum, uma fraternidade sincera. Tende sempre a preocupação de encontrar o outro, sentir o «odor» dos homens de hoje, a ponto de ficar impregnados com as suas alegrias e esperanças, tristezas e angústias. Nunca levanteis barreiras que, para defender a fronteira, impeçam o encontro com o Senhor. No estudo e nas formas de comunicação digital os vossos amigos por vezes experimentam a solidão, a falta de esperança nas próprias capacidades: levai esperança e abri sempre o vosso trabalho aos outros, abri-vos sempre à partilha, ao diálogo. Sobretudo hoje, na cultura, temos necessidade de nos pormos ao lado de todos. Só podereis superar o confronto entre os povos, se conseguirdes alimentar uma cultura do encontro e da fraternidade. Exorto-vos a continuar a levar o Evangelho à Universidade e a cultura à Igreja!

Sobretudo a vós jovens, está confiada esta tarefa: tende sempre o olhar dirigido ao futuro. Sede terreno fértil a caminho com a humanidade, sede renovação na cultura, na sociedade e na Igreja. É preciso coragem, humildade e escuta para dar expressão à renovação”.

IGREJA CATÓLICA. Papa, 2013-   (Francisco) (2014) - Mensagem do Papa Francisco aos jovens da Federação Universitária Católica Italiana (FUCI) [Em linha]. Vaticano : Libreria Editrice Vaticana. Disponível em WWW:<URL:http://w2.vatican.va/content/francesco/pt/messages/pont-messages/2014/documents/papa-francesco_20141014_messaggio-fuci.pdf>.

D. Manuel Clemente apresenta o Sínodo Diocesano de 2016

O Domingo da Santíssima Trindade em que se celebra o Dia da Igreja Diocesana, 15 de Junho, foi a data escolhida para marcar o início da caminhada sinodal que terá como lema: "O sonho missionário de chegar a todos"1.

Durante as atividades que decorreram na Igreja da Boa Nova, no Estoril, o Patriarca de Lisboa apresentou aos diocesanos o programa pastoral “[...] que a todos empenhará até ao final de 2016”, refere. Nesse encontro foram também entregues o calendário diocesano para o próximo ano pastoral (2014-2015), uma pagela com a oração do sínodo e um folheto “[...] com a informação necessária sobre os objetivos e os métodos dessa caminhada” refere D. Manuel Clemente.

IGREJA CATÓLICA. Papa, 2013-   (Francisco) (2013) - Exortação apostólica: Evangelii Gaudium do Santo Padre Francisco ao Episcopado, ao Clero, às pessoas consagradas e aos fiéis leigos sobre o anúncio do Evangelho no mundo actual [Em linha]. Vaticano : Libreria Editrice Vaticana. Disponível em WWW:<http://w2.vatican.va/content/dam/francesco/pdf/apost_exhortations/documents/papa-francesco_esortazione-ap_20131124_evangelii-gaudium_po.pdf>.

A palavra tem origem no grego “synodos” e significa: caminho feito em conjunto. Foi traduzida para o latim como “concilium”, que quer dizer: assembleia. O Sínodo Diocesano é uma assembleia que reúne leigos, consagrados e sacerdotes dessa Igreja particular, escolhidos para auxiliar o Bispo Diocesano no exercício da sua função, para o bem de toda a comunidade cristã. É um caminho de reflexão, avaliação, renovação, planeamento e programação, feito em conjunto, com a participação de todos.

A inspiração para a realização de um Sínodo em Lisboa nasce como acolhimento e resposta à Exortação Apostólica do Papa Francisco, ‘A Alegria do Evangelho’ (publicada a 24 de novembro de 2013), um programa de missão geral e evangelizadora, em estreita sintonia com o processo de renovação da pastoral da Igreja em Portugal, a que fomos recentemente convidados. O Sínodo acontece no contexto da celebração dos três séculos sobre a qualificação patriarcal de Lisboa, que ocorrerá em novembro de 2016. A sua preparação, a começar já, envolve-nos a todos num processo de discernimento, purificação e reforma, que, como diz o Papa, “não pode deixar as coisas como estão”. Neste sentido, o nosso Bispo a todos quer escutar e convidar a vivermos em estado permanente de conversão e missão.

Se queremos mudar o mundo, comecemos por nós próprios, pelas nossas famílias, grupos cristãos, comunidades religiosas, movimentos, associações, paróquias, diocese... Enquanto caminhamos em comunhão rumo ao Sínodo, deixemo-nos interpelar-transformar por Jesus Cristo, pela Palavra de Deus e pelos sacramentos, pelos acontecimentos do nosso tempo e pelas pessoas em quem Jesus vem ao nosso encontro. Ousemos fazer uma revisão pessoal-comunitária de vida e deixarmo-nos abraçar por Deus e pela Igreja de Lisboa; dialoguemos, debatamos, aprofundemos sempre mais as razões da nossa fé e interpelemos o Sínodo com novas propostas para os seus desafios atuais; concelebremos a vida humana e a vida de Deus em nós, nos outros e na História; testemunhemos a alegria e a beleza de sermos discípulos e apóstolos de Jesus Cristo, hoje; comprometamo-nos com quem mais necessita na partilha de dons, competências e tempo; e… participemos, todos, neste itinerário.

Pretende-se que este tempo seja um tempo de oração: o “segredo” para que o Sínodo seja um autêntico evento de graça para a Igreja de Lisboa é a oração. Rezemos, desde já, pelos bons frutos do Sínodo. Tempo de formação, reflexão e partilha: a partir de “A Alegria do Evangelho”, a Igreja de Lisboa é chamada a perscrutar os desafios pastorais atuais para que, em escuta e em resposta à Palavra de Deus, à Igreja Universal e ao Mundo, possa ser fiel, credível e próxima de todos, hoje. Tempo de ensaio de iniciativas pastorais de âmbito missionário: «Ensaio de modos e meios de projeção missionária de cada comunidade – paróquias, institutos, famílias e todas as formas agregativas da vida cristã –, local a local, ambiente a ambiente, processo a processo». (D. Manuel Clemente, homilia da Missa Crismal, 2014)

No início de cada trimestre receberemos um guião que orientará a nossa caminhada sinodal e constará de oração, leitura e reflexão pessoal, diálogo comunitário, compromisso e celebração. Em cada etapa (trimestre), após o trabalho pessoal, somos convidados a reunirmo-nos em grupo (existente ou a constituir para o efeito) para a oração, o estudo, a partilha e a missão. Procuremos envolver todas as “forças vivas” do Patriarcado de Lisboa: comunidades paroquiais, institutos de vida consagrada e sociedades de vida apostólica, movimentos, associações e grupos eclesiais, institutos de formação e educação (seminários, universidades e escolas), famílias, instituições… No final de cada etapa, cada grupo enviará o contributo da sua reflexão e ensaio para o Secretariado do Sínodo. Este tratará toda a informação e preparará o documento de trabalho ou “Instrumentum Laboris” para a Assembleia Sinodal. Cada etapa deste caminho culminará num momento alto do ano litúrgico e pastoral: o 1.º trimestre conduzir-nos-á ao Natal; o 2.º, à Páscoa; o 3.º, no final do ano pastoral, congregar-nos-á no Dia da Igreja Diocesana. Localmente, e para marcar o ritmo sinodal, cada comunidade pode enriquecer esta caminhada da seguinte forma: ensaiando novas formas de missão e valorizando celebrações e eventos significativos.

A caminhada de preparação para o Sínodo decorrerá ao longo dos próximos dois anos pastorais: 2014-15 e 2015-16. Em cada trimestre seremos conduzidos por um dos capítulos da Exortação Apostólica "A Alegria do Evangelho".

  • De Setembro a Dezembro de 2014: "A transformação missionária da Igreja"
  • De Janeiro a Março de 2015: "Na crise do compromisso comunitário"
  • De Abril a Junho de 2015: "O anúncio do Evangelho” De Setembro a Dezembro de 2015: “A dimensão social da evangelização"
  • De Janeiro a Março de 2016: "Evangelizadores com Espírito"

No último trimestre do ano pastoral 2016 (de Abril a Junho) construir-se-á o documento de trabalho sinodal ["Instrumentum Laboris"], a partir das reflexões feitas nos trimestres anteriores. Toda esta caminhada guiar-nos-á à Assembleia Sinodal, que se realizará em Novembro de 2016.

Maria, Mãe da Igreja
ajudai-nos a dizer o nosso «sim».
Dai-nos a audácia de buscar novos caminhos
para que chegue a todos
o dom da beleza que não se apaga.
Virgem da escuta e da contemplação,
intercedei pela nossa Igreja de Lisboa,
em caminho sinodal,
para que nunca se feche nem se detenha
na sua paixão por instaurar o Reino.
Estrela da nova evangelização,
ajudai-nos a resplandecer
com o testemunho da comunhão,
do serviço, da fé ardente e generosa,
da justiça e do amor aos pobres,
para que a alegria do Evangelho
chegue até aos confins da terra
e nenhuma periferia fique privada da sua luz.
Mãe do Evangelho vivo,
manancial de alegria para os pequeninos,
rogai por nós.

Ámen.

Imagens da Capela